Ideias para o futuro, indicações do Levante

Desde que encerrei a cobertura da Mostra de Tiradentes que não escrevo nada por aqui. Muitas vezes, o processo crítico esgota nossas forças e torna muito difícil seguir em frente, principalmente após um marasmo de filmes e textos durante um período de tempo muito curto. Às vezes faltam palavras, ou falta mesmo o que dizer.… Continue lendo Ideias para o futuro, indicações do Levante

Imagens fincadas na terra | Tiradentes #4

Aí vão algumas verdades: já se passou uma semana do início da Mostra de Tiradentes e, de todos os filmes assistidos, apenas dois me deixaram embasbacado: A Destruição do Planeta Live (Marcus Curvelo, 2021) e videomemoria (Pedro Maia de Brito e Aiano Bemfica, 2020). Há também Mundo Mineral (Guerreiro do Divino Amor, 2020), que não… Continue lendo Imagens fincadas na terra | Tiradentes #4

O mundo dentro do mundo | Tiradentes #3

O que há de mais belo em Oráculo (Melissa Dullius e Gustavo Jahn, 2021) é uma ideia fundamentalmente borgeana de que o centro do mundo é… o próprio mundo. De que tanto a vida quanto a narrativa são senão um espelho que reflete outros espelhos, em uma relação ad infinitum. Vou tentar explicar um pouco… Continue lendo O mundo dentro do mundo | Tiradentes #3

Ostinato, um pós escrito (ou como os dedos balançam pelo ar) | Tiradentes #2

Reescrevo estas linhas pela terceira ou quarta vez até encontrar uma versão definitiva. Procuro no tato com a palavra achar o tom mais apropriado entre o que pretendo dizer e o que consigo dizer. Divido este espaço de texto com todas as vozes que habitam minha casa e interrompem o ensejo de silêncio que preconizo… Continue lendo Ostinato, um pós escrito (ou como os dedos balançam pelo ar) | Tiradentes #2

Rasgar as ruínas através dos ruídos | Tiradentes #1

A 24a Mostra de Cinema de Tiradentes começou ontem com o filme de Paula Gaitán, Ostinato (2020), documentário experimental que tem como personagem principal o cantor e compositor Arrigo Barnabé. Eu, como bom teimoso, resolvi pular o filme de abertura (que ainda me interessa ver, é verdade) e ir diretamente àquilo que sempre prezei como… Continue lendo Rasgar as ruínas através dos ruídos | Tiradentes #1

Diário perdido, anotações esparsas | Olhar de Cinema #5

Diário perdido Escrevo este texto na certeza de que, assim como o cinema, eu sou um fingidor. Não posso mais me iludir. Quando dei início ao projeto de cobertura do Olhar de Cinema, quase um mês antes do início do festival, pensei que seria possível dar conta de ver todos os filmes brasileiros em exibição.… Continue lendo Diário perdido, anotações esparsas | Olhar de Cinema #5

Destruir a cidade, construir fortalezas | Olhar de Cinema #4

Mesmo depois de ter atravessado Canto dos Ossos (Jorge Polo e Petrus de Bairros, 2020) e Sertânia (Geraldo Sarno, 2020) - dois dos filmes que mais me moveram para lugares distintos entre as rachaduras a hachuras do cinema brasileiro -, a primeira imagem do 9° Olhar de Cinema que surgirá em minha cabeça, passados os… Continue lendo Destruir a cidade, construir fortalezas | Olhar de Cinema #4

Eu sou a multidão | Olhar de Cinema #3

O procedimento primeiro que abre Entre Nós Talvez Estejam Multidões (Pedro Maia de Brito e Aiano Bemfica, 2020) é o cruzamento da voz de uma mulher com a imagem de um coletivo de moradores da ocupação urbana Eliana Silva. Enquanto ouvimos falar sobre um processo de assimilação daquele território - a moradora expunha a necessidade… Continue lendo Eu sou a multidão | Olhar de Cinema #3

Da ruína à salvação: o formalismo | Olhar de Cinema #2

São necessários apenas dois ou três frames dos filmes que compõem o Programa 1 da Mostra Competitiva do Olhar de Cinema para que possamos entender que tratam-se de obras circundadas por um gesto programatorial bastante específico: a possibilidade de sonhar através do formalismo. Faço questão de deixar claro também que, ao tratar de formalismo (ressalvas… Continue lendo Da ruína à salvação: o formalismo | Olhar de Cinema #2

O abismo das alianças, o mundo em catacumbas | Olhar de Cinema #1

Antes mesmo de assistir ao filme de abertura da 9° edição do Olhar de Cinema fui atacado por uma curiosidade latente: a presença de dois dos profissionais mais qualificados do cinema contemporâneo na equipe técnica - o fotógrafo Leonardo Feliciano (de Branco Sai Preto Fica, Arábia, Baixo Centro) e o técnico de som Vasco Pimentel… Continue lendo O abismo das alianças, o mundo em catacumbas | Olhar de Cinema #1