Uma mercadoria maldita

Recentemente, vi o último filme de Gastón Duprat (co-dirigido com Mariano Cohn). Chama-se Competição Oficial (2021), estrelado por Antonio Banderas e Penélope Cruz e exibido com pompas no último Festival de Veneza. Acho curioso como cada vez mais esse tipo de movimento é recorrente, como um cineasta latino-americano com uma linguagem minimamente acessível à grande … Continuar lendo Uma mercadoria maldita

Dez menos um: apontamentos sobre Licorice Pizza

1. O grande trunfo de Paul Thomas Anderson é como escala seus atores. E principalmente os atores que escala. Sean Penn, Tom Waits, Maya Rudolph, Bradley Cooper, Benny Safdie, John Michael Higgins, Harriet Sansom, Joseph Cross e, finalmente, Alana Haim e Cooper Hoffman. Todos eles com tiques e adereços particulares, caracterizações muito específicas que funcionam, … Continuar lendo Dez menos um: apontamentos sobre Licorice Pizza

Tatuagens na superfície da luz: os curtas de Apichatpong Weerasethakul

I Há muito que já se reconhece o cineasta tailandês Apichatpong Weerasethakul como um dos mais influentes realizadores de seu tempo. Não por menos, afinal trata-se do realizador responsável por filmes como Objeto Misterioso Ao Meio Dia (2000), Eternamente Sua (2002), Mal dos Trópicos (2004) e outros tantos mais. O apego da crítica mundial ao … Continuar lendo Tatuagens na superfície da luz: os curtas de Apichatpong Weerasethakul

Um rastro sobre a coreografia dos corpos

O Alvo (John Woo, 1993) não é um grande filme. Não ao pé da letra. Tudo que se passa nele tem um escopo menor, isto é, uma dimensão mais minimizada. Tudo é grande, claro, como se deve ser em um filme de ação, mas nem tão grande assim. A começar pela trama, que é quase … Continuar lendo Um rastro sobre a coreografia dos corpos

Servant e a miragem da imagem

Existe um conjunto de planos e enquadramentos que se sobressaem de todos os outros ao decorrer das quase 10h de Servant. Sempre que há qualquer interação entre personagens que não ocupam o mesmo espaço, visto que a minissérie se passa majoritariamente dentro de uma casa, alguém conecta um aparelho audiovisual a uma televisão ou mesmo … Continuar lendo Servant e a miragem da imagem

Notas sobre o impasse

Entre Terence Dixon e James Baldwin existe um impasse verbal incontornável. Enquanto o cineasta busca um norte para seu filme, o personagem rasga caminho pelo pensamento. Há também um descompasso latente, resultado do descontrole. Se Dixon vai à procura de seu raciocínio, a efervescência oral e gesticular do escritor o impede de alcançá-lo. Caso Dixon … Continuar lendo Notas sobre o impasse

Por que não um cinema de comédia?

Retomei de minhas anotações a lista dos Melhores Filmes dos Anos 2000 que preparei na metade do ano passado para uma votação feita com críticos, curadores e cinéfilos ao redor do Brasil. Para minha surpresa, encontrei de cinco a seis filmes de comédia entre os 20 primeiros colocados. Filmes que eu não tenho, hoje, plena … Continuar lendo Por que não um cinema de comédia?

O tempo de ruminar

Antes de tudo, uma confissão: sofro de um mal parasitário quase incontornável: eu ando sempre atrasado. Em tudo. Compromisso, aula, debate, sessão de cinema. O que quer que seja. Além disso, tenho também uma certeza imperiosa de que, tentasse eu contornar meus atrasos, prevendo-os de antemão, certamente atrasaria-me para a previsão - e chegaria, enfim, … Continuar lendo O tempo de ruminar