Não é real, é filme – Olhar de Cinema #01

Gosto de pensar que os filmes de abertura dos festivais de cinema, antes de qualquer coisa, são uma espécie de aviso sobre o tempo presente, como uma indicação ou inclinação acerca do que se pensa sobre o agora. Não necessariamente são os filmes “urgentes”, mas costumam dizem algo a respeito do momento político ou estético… Leia mais Não é real, é filme – Olhar de Cinema #01

Na ruína das horas, sonhos de cinema | Ecrã #1

Foi inevitável assistir a Desaprender a Dormir (Gustavo Vinagre, 2021) e não lembrar do cinema de Carlos Reichenbach. Eu imagino que em uma relação entre os mestres do cinema brasileiro, esse talvez não seja aquele que conversa mais diretamente com a obra de Gustavo Vinagre, que é em suma bastante voltada ao documental, ao estudo… Leia mais Na ruína das horas, sonhos de cinema | Ecrã #1

Tatuagens na superfície da luz: os curtas de Apichatpong Weerasethakul

I Há muito que já se reconhece o cineasta tailandês Apichatpong Weerasethakul como um dos mais influentes realizadores de seu tempo. Não por menos, afinal trata-se do realizador responsável por filmes como Objeto Misterioso Ao Meio Dia (2000), Eternamente Sua (2002), Mal dos Trópicos (2004) e outros tantos mais. O apego da crítica mundial ao… Leia mais Tatuagens na superfície da luz: os curtas de Apichatpong Weerasethakul

Um caminho nos destroços – 100 filmes dos Anos 90

Senão amanhã, nos próximos dias estará no ar mais uma votação da Cinefilia Brasileira organizada por Pedro Lovallo. A data limite para envio de uma lista com os seus 20 filmes favoritos (com pontuações de 20 até 1, respectivamente, devido à colocação no ranqueamento) ajuda a dar a tônica dos preferidos entre críticos, cinéfilos, cineastas… Leia mais Um caminho nos destroços – 100 filmes dos Anos 90